Churrasco ou sopa?? Sopa né??


Desde que eu voltei do SPA, tenho uma vontade enlouquecedora de ira à uma churrascaria. Nossa, salivo só de pensar em carne assada... e todos os acompanhamentos, banana frita, batata frita, lingüiça... aiaiaaaaaii....

Esqueço, mas em alguns momentos ouço um diálogo entre o anjinho e o capetinha, sabe? Tudo começa com o capetinha é claro, se dá mais ou menos assim:


Capetinha: Bruna, que tal almoçar aquele churrasco?
Anjinho: Pra quê? Estragar tudo o que você fez a semana toda??
Capetinha: Ah... em dois dias você recupera!
Anjinho: Não Bruna, você está indo tão bem...
Capetinha: Vai, fala com o Diogo!! Convence ele!
Anjinho: Você vai tirar ele da dieta? Não faça isso!!
Capetinha: Ele vai adorar, vai?!
Anjinho: Bruna você é forte, come uma salada!
Capetinha: Ah que salada o que? Não vai te matar a final você diz que está no controle, não está?
Anjinho: Mas é claro que você está no controle, então controle-se!!!! Seja firme...


Ahhhhhh quase enlouqueço e corro pra comer uma salada!!!
Até agora resisti bravamente.
Quando estava indo para o SPA, corri na estante e peguei um livro qualquer sem pretensões, o nome me pareceu bastante apropriado: “Concerto para corpo e alma” foi onde li essa crônica de Rubem Alves, e sempre me lembro dela, quando essas criaturas resolvem dialogar na minha cabeça!! Compartilho um trecho com vocês, a final quem nunca sofreu tentações durante uma dieta!??

CHURRASCOS

“Pois eu acho que o aforismo “Somos o que comemos” pode ser interpretado assim: a comida é a “deixa” que faz aparecer um ator que eu fico sendo enquanto como. O “ser” que devora um churrasco não é o mesmo que toma uma sopa de aspargos. Sugiro, assim, aos meus colegas psicanalistas, que ao seu interesse freudiano pelos sonhos se acrescente o interesse pelos hábitos alimentares dos seus pacientes: o que você come revela o que você é.

E quem é o ator que aparece para quem como o churrasco? É o troglodita que mora em nós, o homem das cavernas, primitivo. Duvidam? É só ir a uma churrascaria de rodízio para que todas as dúvidas sejam eliminadas. Existirá espetáculo mais grosseiro do que o ataque dos garçons com seus espetos cheios de filés, alcatras, maminhas, bistecas, lingüiças? O que é ofensivo não é a carne. É o espetáculo. Tenho um projeto sádico de, um dia, fazer um filme numa churrascaria. O que eu filmaria? Só as bocas abocanhando a carne e mastigando. Um apaixonando jamais convidaria a sua amada para um espetáculo desses.
Porque o “ser” – no sentido filosófico – que aparece em torno da devoração de um churrasco é tudo, menos um “ser” romântico e amoroso. Os amantes preferirão uma sopa de aspargos. Já um político não convida seus correligionários para sopas. É para churrascos, coisa de homem, coisa de “matcho”. O churrasco é o produto mais primitivo da culinária. Antes dele era a carne crua. Aconteceu por acaso: o fogo aceso, na caverna, por causa do calor: os trogloditas ao redor da carne crua. Veio o sono. Dormiram. Quando acordaram, o fogo havia queimado a carne. Ficaram bravos mas resolveram comer assim mesmo. Descobriram que a carne havia ficado mais macia e mais gostosa. Assim se inventou o churrasco. O churrasco é a primeira técnica culinária de que se tem notícia. Era só jogar a carne na brasa. Levou séculos, talvez milênios, para que nossos antepassados tivesses a idéia de usar espetos. O cheiro da gordura queimada que pinga sobre as brasas é a “deixa” olfativa que faz o troglodita que mora em nós sair da caverna em que se esconde.”


Pois é meninas, depois de um tempo de privações, e não tem como ser diferente, começamos a pensar em tudo que temos vontade de comer né?? Mas vamos ser fortes, manter nossas metas e trancafiar de uma vez por todas essa mulher das cavernas, correr para o fogão e fazer a sopinha de aspargos!!

Bjuuuus


2 comentários:

Tathyana disse...

Amiga será que se vc comprar uma carne assada, levar pra casa e fazer uma belíssima salada de acompanhamento ameniza a sua vontade? Bjão e firmeza!!!

Marlene Barreto disse...

Adorei a ideia, vou tentar a receita em casa!